Cadastre-se à moda do Consumo Colaborativo e começa a poupar!

“O que é meu, é teu”. É assim que pode ser explicado da forma mais simples, a emergente tendência do Consumo Colaborativo, uma moda que nasceu há mais de 5 anos de idade, durante o período de crise económica, mas que a cada dia demonstra não ser apenas uma moda passageira e estar aqui para ficar.
O Consumo Colaborativo faz referência a compartilhar, emprestar, trocar ou até mesmo presentear através da tecnologia. Mas foi Ray Algar o primeiro que ele terminou em 2007, em Portugal não se popularizou até 2012-2013. Um movimento nascido na rede e fortemente apoiado pelas redes sociais que nos empurram a possuir cada vez menos bens a partilhar cada vez mais.

Não tem nenhum sentido ter um carro que passa a maior parte do tempo chato em uma garagem ou um escritório com escritórios vazios: sob este tipo de premissas nasce o Consumo colaborativo que está assumindo uma mudança cultural e econômico e que não foi capaz de evitar despertar a muitos críticos e céticos já que está revolucionando as formas tradicionais de consumo. A desconfiança em “o outro”, talvez seja a maior barreira que encontrou esta prática, mas cada vez se vê mais superada graças à existência de perfis pessoais na internet onde você pode ver informações sobre “o outro” e até mesmo comentários de outras pessoas que já tenham compartilhado serviços com esta pessoa que foi previamente.

O que sim é certo é que, graças ao Consumo Colaborativo podemos fazer muitas coisas que de outra forma não seriam possíveis, e o que é melhor, economizar cada vez mais. Hoje em dia, as plataformas e start-ups em torno deste conceito não param de crescer a um ritmo frenético, estes os setores mais comuns:

· Transporte: Car-sharing, car-pooling, aluguer de carros, aluguer de bicicletas, parque de estacionamento, comboios e táxis.
· Hospedagem: Troca de casas, aluguel de casas, parques de campismo, couchsurfing.

Posted in Sem categoria